.....................................................................................................Porque não só vives no mundo, mas o mundo vive em ti. .....................................................................................................

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Você é sim, Insubstituível.

-Imagem Holly Spring-

Este é mais um post onde procuro reunir imagens fantásticas e dizeres que combinam e que servem para refletirmos sobre o amor pela vida que habita em cada ser humano.
Através das palavras de Augusto Cury, podemos descobrir alguns fatos relevantes sobre nós mesmos, como o que tornou você um dos maiores vencedores do mundo, dos mais corajosos seres, dos que mais cometeram loucuras de amor para estar vivo. Ele nos aviva a memória para o fato de que talvez, não saibamos o quanto somos apaixonados pela vida, desde que o relógio do tempo começou a registrar as fagulhas de nossa existência. E assim, vamos escrevendo os principais textos de nossas vidas, através dos momentos mais difíceis, assim como dos mais maravilhosos.



As Imagens são de duas grandes fotógrafas: 
Holly Spring que fotografou sua filha, carinhosamente, depois que ela tinha lutado no início da vida com a doença Hirschprung e ficou sem a mão esquerda. Ela quis mostrar à filha que não há limites para conseguir o que se quer se ela acredita em si mesma.(via)

A outra fotógrafa é Lisa Holloway que quando não está ocupada com sua enorme família de 12 filhos, está criando cenários mágicos com alguns de seus filhos,  usando luz e majestosas paisagens rurais do Arizona.(via)

Excertos do livro Você é Insubstituível de Augusto Cury.









sexta-feira, 22 de agosto de 2014

V Interação Fraterna/BC - Delicadezas de Deus




A cada dia que passa, percebo como o amor de Deus em nossas vidas abre em nós uma terceira visão, proporcionando-nos esperança e vontade de seguir em frente, pois que a vida é belíssima, mas não é tão simples vivê-la. Por vezes ela se parece com um belo jardim, de repente, a paisagem muda e ela parece-nos um enorme deserto ou íngreme como as montanhas.  Independentemente dos penhascos que temos de escalar, cada um de nós possui uma força incrível, mesmo quando desconhecemos que a possuimos.

Para falar das "Delicadezas de Deus" neste dia em que a amiga Rosélia do Blog Espiritual-Idade comemora seu 5o.Ano na Blogosfera e nos propõe este bonito tema, vou contar, rapidamente a história desta delicada imagem abaixo:

Minha amiga Soninha passou por uma fase difícil, um verdadeiro calvário para ela e seus dois filhos, nestes três últimos anos em que seu marido esteve doente, tratando-se de um câncer no abdômen.
Ele sucumbiu há 9 meses, em dezembro passado, e deixou um mundo de saudade nos corações de cada um de sua família e de amigos que o admiravam pela pessoa doce, amável, educada e amante da natureza. Gostava de plantas na varanda e volta e meia presenteava a Soninha com ramalhetes de flores.
Minha amiga vem superando a ausência do marido tão amado com o apoio familiar e, nós, sempre que podemos, lhe damos carinho e atenção, porque sabemos que qualquer um de nós pode passar também por uma situação como esta.

Hoje, pela manhã, ela postou no Facebook esta linda imagem e direcionou o link para que seus dois filhos vissem e se alegrassem com a notícia. Ela disse: "Acordei hoje com esta linda orquídea na minha varanda. É a presença de Deus e luz em nossa casa!" - Era uma das orquídeas que seu marido havia plantado ali no vaso para que voltasse a florescer um dia. Fiquei encantada de verdade! Sinto que ela está curando as feridas de seu coração com a observação destes sinais divinos.

São estas pequenas coisas que se não observamos com a terceira visão, viveremos sempre reclamando de tudo, se achando o último no mundo e abandonado por Deus, quando os sinais estão aí bem perto, geralmente na natureza, oferecendo-nos, em pequenas delicadezas, um dia de sorriso nos lábios e o coração alegre e esperançoso.






Parabéns, Rosélia Orvalhinho, pelo 5o.ano de seu Blog!
















quarta-feira, 20 de agosto de 2014

"Amor não implica pacifismo"



A situação do humano, do animal e de todo eco-sistema neste planeta preocupa não só a mim, como a muitas outras pessoas que não estão apáticas ou apenas vivendo por viver. As constantes guerras, o abandono de alguns povos à própria sorte, doenças novas e sem controle, a poluição, exagero de carros nas ruas, trânsito assassino, crianças sendo mortas por questões religiosas ou políticas, animais explorados, mortos ou torturados, o uso indiscriminado de pesticidas e antibióticos, a escalada incessante rumo cada vez mais à civilização industrial e o consumo exacerbado em todo o mundo. São tantas as mazelas de nossa civilização que, para lutarmos por um mundo melhor e dar chance ao futuro, talvez seja preciso que haja mesmo uma reviravolta em nosso planeta e para tanto, alguns estudiosos nos alertam para o fato de que "Amor não implica pacifismo", ou melhor, algumas decisões radicais têm que ser tomadas, senão a vida na terra poderá se extinguir por completo.


"O mundo material é primário.  Isso não significa que
o espírito não existe, nem que o mundo material é tudo que existe.
Isso significa que o espírito se mistura com a carne.  Isso significa também
que as ações no mundo real têm consequências no mundo real.
Isso significa que não podemos confiar em Jesus, Papai Noel, a Grande Mãe,
ou mesmo no Coelho da Páscoa para nos tirar dessa bagunça.
Isso significa que essa bagunça é realmente uma bagunça e não só o 
movimento das sobrancelhas de Deus.  Isso significa que temos que enfrentar essa bagunça
nós mesmos.  Isso significa que durante o tempo que estamos aqui na
Terra - quer acabemos ou não em outro lugar depois que morrer e se
estamos condenados ou privilegiados a viver aqui - a Terra é o ponto. 
É primária. É o nosso lar.  Ela é tudo.  
É bobagem pensar ou agir como se este mundo não fosse real e primário.
É bobo e patético não viver nossas vidas se as nossas vidas são reais."

Derrick Jensen é um Ambientalista e ativista, que sobre este assunto já escreveu diversos livros como Endgame, The Culture of Make Believe e A Language Older than Words. Seu nome está entre aqueles que foram nomeados um dos "50 visionários que estão mudando o mundo" e ganhou o Prêmio Eric Hoffer, em 2008. Ele escreve para as revistas Orion, Audubon, e The Sun Magazine entre muitas outras.
No livro Endgame, ele deixou 20 premissas sobre a civilização moderna e sua influência no meio ambiente e na vida de uma maneira geral. Leia e reflita sobre estas 20 premissas AQUI.


Há uma linguagem mais antiga e mais profunda do que as palavras.
É a linguagem dos corpos, 
de corpo em corpo,
do vento na neve,
chuva nas árvores,
ondas nas pedras.
É uma linguagem dos sonhos,
do gesto,
do símbolo,
da memória.
Nós nos esquecemos desta linguagem,
esquecida por tanto tanto que nem me lembro que ela existe.
Se quisermos sobreviver, temos que lembrar mais uma vez dessa linguagem.
Devemos aprender a pensar como o planeta.
















Todas as imagens, Tumblr.










terça-feira, 19 de agosto de 2014

Conversando sobre a Família/BC comemorativa



Hoje é dia de comemorar o aniversário do Blog da amiga Norma - Pensando em Família - Blog direcionado para a Terapia de Família e que faz 5 anos. Parabéns à Norma e que continue sempre a nos brindar com seus textos e poesias que inspiram e fazem-nos pensar sobre este tema tão importante para todos nós,- a Família.


Não existe família real, e sim família ideal.
Aceitar a individualidade de cada um é a base do elo.
Não importa em que lar tenhamos nascido, mas sim se podemos ser o que queremos.
Essa liberdade é tudo.
Sentimento de família é elo social, elo humano.
Não está restrito só aos filhos, maridos, avós, primos, etc.
Ele está na esfera social.
E, quando você realmente souber aceitar as diferenças, os valores e as vontades alheias, no mínimo conquistará uma atitude mais fraternal de todos aqueles ao seu redor.
Como aquela pessoa que, sem fazer nada, todo mundo vai enchê-la de beijos, abraços e carinhos.
O segredo desse carisma?
Abertura.
Pratique-a dentro de sua família.
Pratique-a em todo lugar.

Luiz Antonio Gasparetto










terça-feira, 12 de agosto de 2014

Ler sem livros.


Clique na setinha laranja e acompanhe o texto:


"Falamos em ler e pensamos apenas nos livros, nos textos escritos.
O senso comum diz que lemos apenas palavras.
Mas a ideia de leitura aplica a um vasto universo.
Nós lemos emoções nos rostos, lemos os sinais climáticos nas nuvens,
lemos o chão, lemos o mundo, lemos a Vida.
Tudo pode ser página.
Depende apenas da intenção de descoberta do nosso olhar.
Queixamo-nos de que as pessoas não leem livros.
Mas o déficit de leitura é muito mais geral.
Não sabemos ler o mundo, não lemos os outros. ..."


Trecho de "E se Obama fosse africano?"
- Mia Couto -





Então, vamos 'ler' estas imagens?








-Imagens Tumblr.-









E quem quiser ouvir mais uma poesia na minha voz, visite meu outro blog Me and You, tem lá uma poesia da querida Anne Lieri.











sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Os saudosos Tic-Tacs


Óleo sobre tela, O Relógio da Glória -  Onild Aquino (Brasil, 1936)

No início da civilização o homem usou a água, a areia ou o sol para marcar as horas, até chegar a criação do relógio mecânico, que marca as horas mesmo à noite. É um dos grandes inventos da humanidade, ajudando-nos a não perder o tempo, mas que nos atormenta às vezes, ao pressentirmos o mesmo escoando, passando rápido e ainda tanto por fazer. 
Nossos movimentos são regidos por frações exatas do tempo, divididos em filigranas, como o poetinha Vinícius de Moraes atesta em sua poesia de onomatopeia - "tic-tac" - para dar ritmo e efeito sonoro:

O Relógio
Passa, tempo, tic-tac
Tic-tac, passa, hora
Chega logo, tic-tac
Tic-tac, e vai-te embora
Passa, tempo
Bem depressa
Não atrasa
Não demora
Que já estou
Muito cansado
Já perdi
Toda a alegria
De fazer
Meu tic-tac
Dia e noite
Noite e dia
Tic-tac
Tic-tac
   Tic-tac...


Os relógios antigos ainda resistem por aqui, mesmo com a era digital distribuindo relógios de LED aos montes por toda a cidade. São antigos e charmosos exemplares, com ponteiros e mostradores, alguns em algarismos romanos,  que resistem em monumentos e fachadas de prédios. Verdadeiros marcos de outra época, testemunhas de uma cidade que se transformou com o tempo, ironicamente, marcado por eles próprios.

Na cidade do Rio de Janeiro, o mais bonito ainda é o da Glória, instalado em 1905 pelo governo de Pereira Passos.



belo relógio de quatro faces sobre suporte cilíndrico em granito esculpido integra-se ao corpo da balaustrada que delimitava a antiga localização da praia da Glória. Foi construído sob a administração do prefeito Pereira Passos em 1905 como parte dos melhoramentos urbanos no bairro, que incluíam iluminação pública e tratamento de esgotos. É um dos marcos mais expressivos do desenvolvimento urbanístico do Rio de Janeiro na República Velha.





Na sede da 9a.DP no bairro do Catete, projetado em 1908, o velho aparelho ainda permanece sóbrio encimando o prédio que viu o centro do poder da antiga capital federal.
      


E o que chama mais atenção por ser o mais alto, fica a 110 metros de altura, na Estação da Central do Brasil bem no coração da cidade, um gigante relógio de quatro faces que ocupa cinco andares do tombado edifício da estação ferroviária de 1937, e que era o norte das milhares de pessoas que circulavam e ainda circulam por aquela região. Ele é visível de várias partes do Rio, devido a sua altura e está sempre funcionando no compasso correto, sob os cuidados de um mecânico de manutenção.

"Com a expansão da malha ferroviária, a noção de tempo mudou. Era preciso controlar os minutos para não perder o trem. E eram os aparelhos de rua que orientavam a maioria." (Via)



Um lindo prédio em estilo Art Dèco.

O velho relógio da Central, altivo, assiste às transformações que veem ocorrendo ao seu redor e resiste.


Infelizmente, muitos outros relógios antigos estão fora de operação, mas continuam em seus lugares e de qualquer forma encantam os olhos, relembram o passado e enfeitam com sua beleza arquitetônica, como é o caso destes abaixo:


Relógio do Largo da Carioca - 1909 -

Os relógios (parados) do Palácio Pedro Ernesto - atual Câmara Municipal do Rio de Janeiro.
Os detalhes da fachada com anjos neo-clássicos.
 



Na antiga Fábrica de Gás, na Presidente Vargas, prédio construído pelo Barão de Mauá em 1853.

                                                                                                                                                 

E no Edifício Mesbla, em estilo art déco, o grande destaque na fachada é a torre de cem metros de altura em que fica o relógio, este ainda em operação desde 1955.








Lembrei de fazer este post para mostrar estes belos e antigos relógios, antes que toda a cidade seja tomada pelos novos relógios de leds.








- Todas as imagens são do Google.















segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Terapia da Preocupação.


-Pinterest-

Sabe aquela pessoa gente boa, querida, mas muito preocupada, que vive pensando e cuidando para que nada de mal aconteça a ela e aos que ela ama, e com isso vive apreensiva e ansiosa, muitas vezes parecendo meio pessimista ou chata por alguns!?

O psicanalista Carl G.Jung afirma que a mente, quando não consegue solucionar um problema, volta sempre a ele, como um disco quebrado. E que quando ficamos andando pela casa em círculos, ou mesmo deitados em pensamento fixo, preocupados com uma situação, estamos apenas repetindo fisicamente o que ocorre em nossa psique, e muitas vezes fiquei assim - circulando.

Pois é, eu já fui assim, mas melhorei muito e prova disso é que não perco mais noites de sono, procuro fazer um exercício espiritual e psicológico para me fortalecer e superar a ansiedade. E quem é mãe de filhos jovens sabe bem o que eu estou querendo dizer, principalmente quando se mora em cidade grande e que não tem segurança em determinadas horas do dia, como a noite, por exemplo. E é à noite que os jovens vivem, que gostam de se encontrar, de sair, de namorar, de estar vivendo a vida.
Como eu também já fui jovem, tento entender tudo isso e me estabilizar para não ficar dominada por preocupações muitas vezes sem sentido, e que acabam por desestabilizar nosso sistema psico-somático.

E quando eu era assim, meio preocupada por demais, vi um livrinho na prateleira de uma livraria que me atraiu e acabei comprando-o. Terapia da Preocupação é o nome dele e serviu-me de grande ajuda para raciocinar melhor sobre este estado de ser. Aí vão algumas boas dicas que ele nos passa:


"Dormir ... alinhava preocupações confusas" e é o bálsamo para almas feridas", disse Shakespeare.  Repousar o suficiente à noite é essencial quando você se sente dominado por preocupação.
E não negligencie o poder curativo de uma leve soneca.
Afinal, quando foi a última vez que você viu um
gato parecer preocupado?


Tente usar de distração em situações que deixam você desconfortável.
Algumas pessoas que se preocupam com viagens aéreas, por exemplo, levam um atraente romance consigo.
Empenhe sua mente em algo mais intrigante do que preocupação.


Ser pessimista acarreta constantemente visualizar coisas ruins acontecendo. 
Redirecione sua imaginação e mentalize resultados positivos. 
Uma vez que você possa visualizar algo bom acontecendo, você pode esperar por isso.

Não deixe a preocupação sacrificar o melhor de você - tire o melhor da preocupação.
Use-a como trampolim para praticar ações necessárias, aprimore seu ponto de vista, 
e estabilize sua vida.


Preocupação prospera em ambiente turbulento.
Reserve algum tempo de tranquilidade para si mesmo.
Baixe o volume e fique atento à calma e 
tranquila voz de seu centro.
Então ... não está melhor?